O sacramento

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica § 1420-1532, a Tradição reconheceu neste rito um dos sete sacramentos da Igreja. A Igreja crê e confessa que existe, entre os sete sacramentos, um sacramento especialmente destinado a reconfortar- aqueles que são provados pela enfermidade: a Unção dos Enfermos.

O Sacramento da Unção dos Enfermos confere ao cristão uma graça especial para enfrentar as dificuldades próprias de uma doença grave ou velhice. É conhecido também como o “sagra viático”, porque é o recurso, o “alívio” que leva o cristão para poder suportar com fortaleza e em estado de graça um momento de trânsito, especialmente o trânsito à Casa do Pai através da morte.

Quantas vezes um cristão pode receber o sacramento?

A Unção dos enfermos antes era conhecida como “Extrema Unção”, pois só era administrada “in articulo mortis” (a ponto de morrer). Atualmente o sacramento pode ser administrado mais de uma vez, sempre que for em caso de doença grave.

Unção dos enfermos é um rito cristão que consiste em ungir os enfermos com um óleo sagrado. Na Igreja Católica, o ritual é também denominado “Santa Unção” ou “Último sacramento”. A unção dos enfermos tem o objetivo de confortar o doente, perdoar os seus pecados e transmitir um sentimento de alívio espiritual e físico.

O essencial do sacramento consiste em ungir a frente e as mãos do enfermo acompanhada de uma oração litúrgica realizada pelo sacerdote ou o bispo, únicos ministros que podem administrar este sacramento.

Quantas forem necessárias, sempre que estiver em estado grave. Pode recebê-lo inclusive quando o estado grave se produz com recaída de um estado anterior pelo qual havia recebido o sacramento.

Que efeitos tem a Unção dos enfermos?

A unção une o enfermo à Paixão de Cristo para seu bem e o de toda a Igreja; obtém consolo, paz e ânimo; obtém o perdão dos pecados (se o enfermo não pôde obtê-lo pelo sacramento da reconciliação), restabelece a saúde corporal (se convém à saúde espiritual) e prepara para a passagem para a vida eterna.

Pedido do Papa para este ano

Ressalta o Papa: “a misericórdia é, por excelência, o nome de Deus, que expressa a sua natureza não como um sentimento ocasional, mas como força presente em tudo o que Ele faz” .

Gostaria de lembrar os nossos queridos doentes para que todos possam receber atendimento médico e acompanhamento espiritual. Rezemos por esses nossos irmãos e irmãs, por suas famílias, pelos agentes de saúde e pastorais, e por todos aqueles que cuidam deles

“Deus é conjuntamente força e ternura”, sublinha o Papa, e por isso podemos dizer que “Ele cuida de nós com a força de um pai e com a ternura de uma mãe, sempre desejoso de nos dar vida nova no Espírito Santo”.

O Papa Francisco dirige a mensagem, sobretudo, a todas as pessoas que sofrem no mundo, de modo especial as que sofrem as consequências da pandemia da Covid-19. O Papa expressa a proximidade espiritual, de igual maneira aos marginalizados, e em nome dele, ele transmite o afeto da Igreja.

Por isso, neste dia, peçam a Deus pelos irmãos e irmãs, que partiram nesse nosso tempo de pandemia, sejam recebidos na eternidade e que os familiares sejam consolados pela força que vem de Deus também nos seus corações. Não tem sido fácil para a nossa sociedade, nossa comunidade, ter essa experiência tão difícil.